Toca a espreitar

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Gargalhadas ao vento [do nosso domingo]



Adoro os Domingos!! Mais do que isso, adoro os domingos de Sol e calor, em que podemos passear e brincar ao ar livre.

Basta tão pouco para o fazer feliz:






















terça-feira, 26 de maio de 2015

Abril, meu Doce Abril

Abril foi mágico, maravilhoso.

Abril é o meu mês e faz-me sempre tão feliz.

Abril foi assim:


video

Que tal, gostaram??

Reino dos Traquinas: O Avi e os Gatos



Como sabem a nossa gatinha foi Mamã pela 3º vez. O David como é um menino bastante compreensivo, e a Minnie um doce de gata, fomos mostrar-lhe os gatinhos.

"Espreita aqui Avi, tenho uma surpresa para ti!!"

Ele espreita e...

"Uauuuuuuuu... Bebés... Gatinhos Bebés!!", diz deliciado e super feliz.


Eu, em vez de estar calada, pergunto-lhe:

"Lembraste de a Minnie ter uma barriga grande? Eram os bebés que estavam lá dentro!", sorrio estupidamente

Ele põe um ar confuso, e pergunta-me sem hesitação:

"Oh Mãe?? Se os gatinhos estavam dentro da barriga da Minnie.... huuummm, como saíram???"


Engoli em seco:

"São tão fofinhos, não são?"

Temo pelo dia em que não conseguirei desviar esta conversa. 

Pequeno Rei e o seu novo Look

O cabelo do Pequeno Rei cresce a olhos vistos e quem me conhece bem, sabe a tortura que é para mim sempre que tenho de lhe ir cortar o cabelo, mas com a chegada do calor é inevitável.

Por isso lá tivemos de voltar à nossa cabeleireira para mais um cortezinho (inho inho). Confesso que tive pena dela, tem que ter uma paciência de santa para lhe conseguir cortar o cabelo. Ora faz caretas para o espelho, ora olha para um lado, ora olha para o outro. Ora rabia. É simplesmente impossível, confesso que muita sorte teve ele de não ter levado umas valentes "machadadas".

O resultado final ficou delicioso, claro. Ora espreitem para ver se aprovam:




















♡ ♡

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Mãe, dona do poder absoluto!

Sabes...

Ser Mãe não é como dizem... nem como aparenta ser.
Tu sabes-o, eu sei!

Em pequenina olhava para a minha Mãe, ela tinha o poder absoluto. Falava sem duvidas, ordenava sem tremores, dizia o que sabia. E sabia tanto. Não tinha duvidas, nem medos. E mesmo quando eu tinha a certeza que havia algo monstruoso no meu quarto em plena noite ela duvidava e não temia.

Ela era mãe e isso era tão fácil para ela. Para mim era revoltante. Às vezes queria-me fazer ouvir e não conseguia, queria aquilo apenas porque queria e não o tinha. A minha mãe tinha o poder que também eu queria ter. "Ser Mãe é tão fácil" , pensava eu basta querer e o mundo corre do modo que quer. Sem medos, duvidas, apenas com as certeza que os adultos têm. Porque era a vida de uma criança tão mais difícil?? Monstros que só nos apareciam a nós para nos aterrorizar, tarefas que não queríamos realizar, idas para a escola que não queríamos fazer e ainda havia aquela história das nossas paixões aterradoras que nos partiam por completo o coração! Pois...


E assim do nada, apenas fechei os olhos, pelo que me pareceram apenas segundos, minutos quando muito. Mas o mundo girou e girou e girou... E de tanto girar me deixou tonta.. O mundo girou, o tempo passou e ninguém foi capaz de me avisar.

De repente, abri os olhos. Sentia-me tonta. O mundo havia girado e tudo em meu redor mudou!! Cresci sem me avisarem, e sem dar por ela era agora adulta. Dona do meu destino. Sem dar por ela, era Mãe, plena e absoluta, pensava eu.

Ainda me sentia tonta, atordoada, com as imensa voltas do mundo, quando me apercebi. Enquanto Mãe e adulta, apenas tinha uma certeza: Não tinha a certeza de nada. Os monstros aterradores que me entravam pela noite dentro pelo quarto haviam desaparecido, mas em vez deles haviam agora outros monstros, mais assustadores, que me aterrorizavam por completo.

E aí percebi!! Ser Mãe, não é o que a minha Mãe me demonstrava, ou pelo menos o que eu pensava que era. Ser Mãe é acordar mesmo com vontade de dormir, é correr quando queremos andar, é sorrir mesmo quando queremos chorar. Ser Mãe é um mar de emoções, mas não de emoções normais, são emoções contraditórias de extremos. Vivemos a vida quase no limite, amamos o máximo que conseguimos amar, somos felizes na sua plenitude, vivemos aterrorizadas e temos medos que nos consomem. Mas acima de tudo somos fortes, porque na vida temos o que mais importa. Eles sorriem e o Sol volta a brilhar, o mundo volta a girar, mas desta vez eu não vou piscar os olhos, não vou deixar que o mundo gire e gire e gire sem me avisar.

Se vamos viver aterrorizadas?? Sempre!! Temos o coração fora do corpo e só isso basta para que por vezes seja difícil respirar. Mas temos de o fazer sempre! Temos de sorrir com todas as forças e temos de mostrar aos nossos filhos que somos as Mães, que por isso temos o poder absoluto, que não temos duvidas de nada, que sabemos tudo e acima de tudo que não temos medo!!

Se estive aterrorizada? Estive! Se por momentos deixei de conseguir respirar? Deixei! Se tive medos atrás de medos, duvidas atrás de duvidas? Tive!! Mas graças a Deus, não passarem disso, medos doidos, monstros malucos que habitam sempre no coração de uma Mãe. Foi apenas um susto, e já passou!

Agora viramos a página, porque tenho o melhor do mundo, um filho feliz, cheio de saúde e que me ilumina dia após dia!!

Ser Mãe nunca vai ser fácil, mas com os nossos filhos fantásticos torna-se bem melhor!!

quinta-feira, 21 de maio de 2015

My fashion Boy


Palavras para quê??!!

Eu só pisquei os olhos (juroooo), não os fechei, pisquei apenas e ele... puf.. cresceu assim, tão rápido!!

"Vou pedir ao tempo, que me dê mais tempo, para olhar para ti!"